Posts com Tag ‘seminário’

“PORTANTO, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo.” Rm 2:1

 Desde que a índole sectarista da Maranata começou a ser conhecida na comunidade cristã, na década de 90, alguns estudiosos começaram a atribuí-la o caráter de seita religiosa. Obviamente, a liderança desgostosa e constrangida com a má fama que paulatinamente a Maranata vinha ganhando, elaborou em 1996 um pequeno livro – “PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A IGREJA MARANATA” – contendo um questionário sobre as práticas de tal Igreja, a fim de esclarecer que a Maranata não era uma seita porque não cultivava elementos ou praticava liturgias pertinentes a tais comunidades. Esse estudo também é ainda, vez por outra, ministrado nos seminários a fim de convencer e confortar os adeptos de que a Maranata não é uma seita religiosa.

 Então, de posse do conteúdo desse estudo, comentamos e expomos algumas afirmações defendidas pela liderança que soaram muito contraditórias e incoerentes em relação àquilo que de fato a Maranata vive e ensina aos seus adeptos. Um artigo de muita relevância para o leitor entender a natureza da Maranata. O que de fato seria Maranata, uma seita ou mais uma igreja?

DOWNLOAD DO ARTIGO

“Coisa espantosa e horrenda anda se fazendo na terra. Os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja; mas que fareis ao fim disto?Jer 5.30-31

O que leva uma Instituição religiosa se concentrar incisiva e obstinadamente contra um mero site de relacionamento social, o Orkut? O que leva uma liderança, movida por um ódio incontido, baixar circulares difamando, desconstruindo as imagens dos usuários do Orkut?  O que leva membros da Maranata a trocar e-mails entre si, afirmando que o site Orkut e até o próprio Google são personificações do diabo na internet? Não é intrigante o fato de que mesmo havendo o My Space, o Facebook, o Twitter, o Largevia (do inglês: “via ampla”, de autoria de um pastor da Maranata de Boston), enfim, todos esses sites de relacionamentos sociais, o Orkut é o único a ser expressamente proibido ou, no mínimo, reprovado pelos líderes e membros apaixonados pela “Obra”? Não seria incoerente? Seria devido ao fato de que no Orkut é onde reside a comunidade “Já Fui Um Maranata”, composta os mais diversos tipos de ex-membros que um dia libertaram de tal sistema religioso, no qual eles relatam seus testemunhos, experiências, decepções e todo erro desse grupo religioso?   

 Portanto, o presente artigo consiste em divulgar o motivo pelo qual fez a Maranata concentrar suas energias contra o Orkut, bem como, relatará, em miúdos, todos os ocorridos que levaram a fundação da comunidade “Já Fui Um Maranata”, desde o famigerado episódio ocorrido no maanaim de Brasília, quando três pastores pregaram aos jovens contra a idolatria à Instituição, a até os trâmites que se deram na pela liderança quando a referida comunidade começou a se propagar em números e boa fama a favor do Evangelho, divulgando toda a verdade da Maranata. Um artigo de suma importância ao leitor que desconhece esses fatos, acobertados dos membros, e que agora poderão perceber mais ainda em que local eles se encontram. Que o Senhor lhes esclareça!

DOWNLOAD DO ARTIGO

 

“Quem fala de si mesmo busca a sua própria glória; mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça.” Joa 7.18

 Todos que já fizeram parte da Seita Maranata conhece o famigerado estudo da Visão das Viderias, o qual nada mais é do que um estudo apologético da ICM. O estudo elenca 07 pragas que estão hoje a contaminar várias denominações, de forma que acabam preterindo as coisas do Reino de Deus, para beneficiar seus partidos religiosos. Concordamos com as pragas ventiladas. Contudo, a ICM, prepotente e arrogante como é, diz que todas as demais denominações da face da Terra (frisa-se: de toda a Terra) estão contaminadas com pelo menos uma dessas pragas; mas, a “Santa”, a “ICM-Obra” se diz que é a única que não há sequer uma pitada de mácula. A ICM é posta nesse estudo como a “Rainha dos Céus”, a cheia de graça e bendita seja ela entre as denominações.

Assim sendo, mostramos que esse estudo não passa de uma grande mentira fabricada para ludibriar desavidados membros, ocultando-lhes verdades que muitos conhecem por debaixo dos panos, e que, os mestres da “Obra”, mesmo coniventes e estimuladores de pragas na ICM, hipocritamente, ensinam o contrário usando outras denominações (sem citar o nome, mas dando todas as caracteristicas delas) como objetos de desdém, e sobrepujando-as perante a “Santa ICM-Obra Maravilhosa”, enfim, como diz o ditado: o sujo falando do mal lavado. Leiam, irmãos, e conhecam a verdade escondida propositalmente de seus olhos.

DOWNLOAD DO ARTIGO