Posts com Tag ‘presbiterio’

“Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo areta justiça.” Joa 5.27

O que ocorreria se a mulher samaritana fosse congregar na Igreja Maranata? Será que o passado pecaminoso dessa mulher, que foi acolhida com amor por Jesus, poderia comprometer a “imagem da Obra Maravilhosa”, a tal ponto dela sofrer discriminações, rejeições, até execrações tudo em favor do sistema “Obra”? Leiam e entenderão como o que contém nesse texto é bastante pertinente aos fatos e episódios que ocorrem comumente no seio desta Denominação, conseqüência de um sistema idólatra, mesquinho e ambicioso.

DOWNLOAD DO ARTIGO

“Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.” Efésios 4.14

A razão, atributo dado pelo Senhor a todos aqueles que foram feitos a Sua imagem e semelhança. Contudo, a Maranata em vez de promover a racionalidade, o amadurecimento, a sabedoria de Cristo, está adestrando seus adeptos à irracionalidade. Como todo sistema ditatorial, a liderança da citada Instituição tem pavor da liberdade de expressão, de democracia, aplicando, assim, intensas políticas de censura, inibindo o desenvolvimento do senso crítico, mergulhando os seus adeptos, em matéria de fé, ao completo estado do infantilismo.

Intimidados na racionalidade em Cristo, movidos por impulsos e arroubos, sem refletir, no cumprimento das ordens da liderança, vão muitos resumindo sua vida espiritual a isso. E à medida do tempo, acabam tornando-se presas fáceis dos caprichos de vaidosos e gananciosos líderes religiosos, que mandarão e desmandarão nas suas vidas a bel-prazer, tal como bonecos de mestres ventríloquos. Logo, condicionados mentalmente ao sistema religioso, com suas regras exteriores e mandamentos institucionais, já não compreendem a salvação em Cristo pela vivência do Evangelho em si, senão pela submissão irrestrita ao sistema religioso. Como crianças inseguras, cheios de carências, agora, os adeptos, condicionados, ficam subjugados ao sistema religioso, necessitando de ordenanças para se sentirem seguros e bem consigo mesmos, na sensação de que, só assim, no Caminho estivessem. Um artigo de obrigatória leitura aos irmãos que estão sendo ludibriados por um sistema religioso que visa à alienação de seus adeptos, a que sejam irracionais, de maneira a ficarem totalmente a mercê dos caprichos do PES. Leiam e compreendam o que vem sendo lhes ensinado.

DOWNLOAD DO ARTIGO

“As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne.” Col 2:23

Usos e costumes são heresias? Usos e costumes não são apenas hábitos de determinado grupo? Usos e costumes se tornam heresias a partir do momento em que são espiritualizados: justificados como meio de purificação, como doutrina divina, de modo a ser objeto de acepção de pessoas. Ainda hoje poucas Denominações apregoam essa “circuncisão” contemporânea, sem a qual homens e mulheres não poderão ser estimados como servos de Deus. Os desobedientes da cartilha dos usos e costumes serão nivelados por baixo, de modo que serão boicotados de certas atividades e até aliciados emocionalmente a não fazerem jus a salvação em Cristo Jesus.

A Maranata está a fazer isso tudo. Não obstante em seminários ridicularizar as Denominações que apregoam usos e costumes, em sua hipocrisia, a Maranata alega que não constrange o homem a ter rosto imberbe, a mulher o uso obrigatório de saia ou vestido, a não frequentarem teatros e cinemas mesmo que sadios, a coibir a prática de esportes, a censurar a apreciação de guloseimas festivas; mas que  são  apenas “revelações do Espirito Santo aos servosd a Obra”. Ardilosamente, escusa-se de sua responsabilidade, e, malignamente, atribue ao próprio Senhor Deus a autoria dessas doutrinas duvidosas – “O Senhor revelou – fazer o quê!?”. Enquanto algumas Denominações pregam usos e costumes, a Maranata diz que é o próprio Deus é quem revela os usos e costumes. O artigo disponível se comprometerá a desmistificar o legalismo dos usos e costumes praticados na Maranata e em outras seitas, através da Palavra de Deus, e que uma vida de pureza, santificação e compromisso cristão não depende de nenhuma espécie de “circuncisão”, mas sim de atitudes e consciência de um verdadeiro filho de Deus.

DOWNLOAD DO ARTIGO

 “Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens.” 1 Co 7:23

Quando os neófitos chegam à Igreja Maranata, levados pelo fascínio do que é exterior, impulsivamente, criam muita expectativa com o sistema “Obra”. Muitos, em sua inocência e ignorância bíblica, convencidos pela atmosfera engenhosamente piedosa do local, acreditam ter ali encontrado a perfeição em forma de igreja ou de doutrina. Fácil e perigoso é tirar uma conclusão precipitada de algo onde tudo se processa de forma oculta e evasiva, e, acima de tudo, onde só sabe proclamar o quanto são espirituais, melhores, perfeitos, justos e corretos – “tudo é revelado”- em comparação com as demais igrejas do mundo. Fisgados por esse contexto, muitos homens acabam mudando drasticamente o destino de suas vidas, para algo que jamais eles vislumbraram. Quando no início tudo era idealizado, hoje, após anos de “Obra como forma de vida”, suas vidas sofrem as conseqüências ou os desdobramentos de uma vida totalmente devotada a tal “projeto”.

Este texto é baseado na vida de muitos “pastores da Obra”, uma novela reflexiva baseada em experiências que foram e são por demais comuns na vida de todos aqueles que exercem tal cargo/função. Dado o erro ignorado e imperceptível, homens esses que, até de bom coração, acreditando que vivem uma verdade inexorável, foram corrompidos a viverem uma mentira, apartando-se do Evangelho do Reino.  Que o leitor possa se identificar como as particularidades de cada um desses homens, são, em plena verdade, um mal  bastante comum, e compreendam que o mal não está essencialmente em si mesmos, senão num sistema equivocadamente religioso.

DOWNLOAD DO ARTIGO

 As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.” Deu 29:29

Uma prática que chama a atenção de um cristão cauteloso quando chega à Maranata é ênfase que seus pregadores dão à palavra “revelação”. Há uma exagerada ênfase a tal palavra, a ponto de constatar que tudo que não seja “revelado” é considerado o mais puro joio. Mas o que seria, na prática, essa tal da “revelação” tanto enfatizada na Maranata? É sabido que a Maranata possui uma queda pela Teologia Alegórica das Sagradas Escrituras. E, em decorrência disso, ensina-se que existe uma forma especial de ler e pregar o conteúdo da Bíblia, essa prática seria alcançada somente por “revelação”, e essa forma teria um nome “A Palavra Revelada”.

  Um texto que fará o leitor a ver a Maranata de uma perspectiva mais transparente, de modo que entender o porquê de ela focar tanto suas pregações e aulas no Velho Testamento; e, por conseqüência, ignorar, quase que por completo os ensinos e fundamentos das cartas apostólicas. Será que, apesar de tal prática ter ares de espiritual, seria, na realidade, uma prática fundamental e honestamente bíblica? Será que realmente o Senhor Deus deseja que suas Sagradas Escrituras sejam objeto dessas práticas, de buscar significados além da letra?

 DOWNLOAD DO ARTIGO

“PORTANTO, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo.” Rm 2:1

 Desde que a índole sectarista da Maranata começou a ser conhecida na comunidade cristã, na década de 90, alguns estudiosos começaram a atribuí-la o caráter de seita religiosa. Obviamente, a liderança desgostosa e constrangida com a má fama que paulatinamente a Maranata vinha ganhando, elaborou em 1996 um pequeno livro – “PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A IGREJA MARANATA” – contendo um questionário sobre as práticas de tal Igreja, a fim de esclarecer que a Maranata não era uma seita porque não cultivava elementos ou praticava liturgias pertinentes a tais comunidades. Esse estudo também é ainda, vez por outra, ministrado nos seminários a fim de convencer e confortar os adeptos de que a Maranata não é uma seita religiosa.

 Então, de posse do conteúdo desse estudo, comentamos e expomos algumas afirmações defendidas pela liderança que soaram muito contraditórias e incoerentes em relação àquilo que de fato a Maranata vive e ensina aos seus adeptos. Um artigo de muita relevância para o leitor entender a natureza da Maranata. O que de fato seria Maranata, uma seita ou mais uma igreja?

DOWNLOAD DO ARTIGO

“E qualquer que não se prostrar e não a adorar, será na mesma hora lançado dentro da fornalha de fogo ardente.” Dan 3:6

“Quando falamos ‘Obra’ não estamos nos referido à Maranata. A ‘Obra’ existe em outras denominações.” São argumentos dessa natureza que os membros da Maranata tentam, constrangidos, justificar o injustificável. Afinal, quem é “Obra”? O que é “Obra”? Por que razão os membros da Maranata proferem tanto esse jargão? Seria um linguajar formatado e padronizado que eles adquirem pela consciência coletiva? O presente artigo se propõe explanar toda essa mística que compõe essa palavra nesse meio, de modo a tentar promover, em definitivo, uma explicação do motivo que leva os membros a alimentarem certo exclusivismo consigo mesmos e uma certa veneração a tal palavra.

Um texto de suma importância para a descoberta da verdadeira face Igreja Maranata. Um percurso que se inicia nos meados da década de 60 e que desemboca no que hoje alimenta tal Instituição por detrás dessa palavra “Obra”.

DOWNLOAD DO ARTIGO

“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?” Rm 8.35

A imposição do medo num governo ditatorial é a melhor arma para preservar a saúde do sistema. Desencorajar, intimidar, obrigar e recrutar pessoas através de chantagens terroristas é o ardil mais eficiente que a Maranata e demais seitas e governos totalitários utilizam para velar o sistema ditatorial. O medo acaba sendo utilizado como a argamassa que envolve toda a estrutura da seita, como o combustível da organização, de modo a arregimentar, como marionetes, os membros a fazerem aquilo que bem aprouver o órgão central dominador ou mesmo o monarca da “unidade local”. O medo coage!

A utilização de infortúnios alheios para amendrontar e a distorção do conceito da “Blasfêmia contra o Espírito Santo” são as duas armas que a Maranata bem utiliza engenhosamente para coagir a massa. O artigo em tela abordará, por exposições bíblicas, a respeito dessas duas técnicas neuro-linguísticas que recrutam as pessoas para fiéis adeptos do sistema. Um ardil calculista que visa blindar tal sistema contra discordâncias, desobediências, justificativas e questionamentos. Leiam para vossa libertação em Cristo Jesus.

DOWNLOAD DO ARTIGO

Em meados de 2007, desesperada e temendo a subversão dos membros contra o governo totalitário-eclesiástico do Presbitério, a Maranata elaborou um “imprimatur” para a época atual. Assim como fez a Igreja Católica nos idos da inquisição, cujo intento era de proibir os adeptos o contato com qualquer espécie de literatura ou conhecimento que os levassem a pensar criticamente contra o sistema ditatorial católico, os líderes da Maranata, por sua vez, fizeram exatamente o mesmo.

O frenesi de circulares atrás de circulares começaram a descer do Sinédrio Capixaba rumo às igrejas locais, contendo mensagens mentirosas contra a rede social Orkut, bem como difamações e calúnias generalizadoras contra os usuários do site. Um objetivo era tão-só de desencorajar e aterrorizar os ingênuos membros a não acessarem ou apagarem seus perfis do site, impedindo que eles tivessem, eventualmente, ciência das aberrações doutrinárias e administrativas expostas e discutidas na comunidade “Já Fui Um Maranata”. Para surtir efeito o estratagema, como de praxe, responsabilizou o Senhor Jesus como autor dessa decisão. Que os leitores compreendam o rolo compressor de 2007.

DOWNLOAD DO ARTIGO

Porque penso que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos.” 1 Co 4:4

Alguns líderes e membros da Igreja Maranata orgulham-se de si mesmo porque se Apóstolo Paulo fosse nosso contemporâneo, certamente ele faria parte da Instituição Maranata. Dizem isso porque  apregoam que ela seria a Instituição que mais se assemelha com a Igreja Primitiva dos tempos de Paulo, segundo as suas exclusivistas e pretensiosas conclusões. Daí, uma vez lá dentro, é comum escutarmos que a seita Maranata é o tipo da “Obra de Paulo”.

Assim sendo, conta-se que o Apóstolo Paulo ofereceu-se à Maranata, para trabalhar como obreiro, um voluntário para realizar a “Obra no exterior”. Depois de algumas semanas, um dos secretários da “Comissão Executiva” escreveu-lhe esta carta, justificando o motivo pelo qual não poderia aceitá-lo. Apenas uma ficção, obviamente. Todos os fatos, acontecimentos, características relativas ao apóstolo foram retirados das Escrituras (Livro de Atos e Cartas paulinas) sem acrescentar ou inventar algo!

DOWNLOAD DO ARTIGO

“Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples.” Rm 16.18

A ICM, como uma tipicação exemplar de uma denominação sectária-exclusivista, isto é, uma seita, é mestra na liguagem de programação mental (do não-pensamento). Os mestres da ICM, movidos por suas avarezas denominacionais, passam a fabricar rótulos e conceitos distorcidos sobre todo tipo de assunto que se torna popular no meio, dito, “evangélico”, mas com o intento, não de despertar o membro para a verdade, honesta e justa, senão para uma “verdade” que ela impregna paulatinamente na mente dos membros a entender, preconceituosamente, de modo imprudente e irresponsável, a respeito de conceitos, na verdade, idôneos; pelos quais, ao utilizar de inverdades, a ICM se posa, arrogantemente, como a denominação que “descobriu a pólvora”, a única que encontrou a suposta verdade escondida que Deus revelou para os últimos dias à ICM.

Um texto curto, porém muito esclarecedor sobre as peripécias calculistas que a ICM utiliza como um ardil maligno distorcendo a verdade, que muito bem os “grandes mestres” dela sabe, para fascinar os ingênuos membros. Leiam para vossa edificação em Cristo, de forma transparente, idônea, honesta, leal e fiel, sem interesses escusos e gananciosos.

DOWNLOAD DO ARTIGO

“Ninguém atue como árbitro contra vós, afetando humildade ou culto aos anjos, firmando-se em coisas que tenha visto, inchado vãmente pelo seu entendimento carnal,” Col 2.28

 A nova onda da ICM, agora, nessa sina de querer ser diferente das outras denominações, foi decretar a que seus membros não profiram mais “Obrigado”, “Paizinho”, “Papai do Ceú” em orações, porque, segundo eles, o devido é tratar o Senhor Deus como um ser polido, como fosse uma autoridade política e judicial; assim sendo, é chulo, carnal, desrespeitoso e irreverente se dirigir a Deus com esses termos que expressam intimidade e apreço. Nesse artigo refutamos esse farisaísmo da Maranata, explicando biblicamente aos irmãos que robotização e engessamento em orações não passa de mais um show de santarrice do Presbitério, e por que não, de escravismo sobre os irmãos.

DOWNLOAD DO ARTIGO

“Coisa espantosa e horrenda anda se fazendo na terra. Os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja; mas que fareis ao fim disto?Jer 5.30-31

O que leva uma Instituição religiosa se concentrar incisiva e obstinadamente contra um mero site de relacionamento social, o Orkut? O que leva uma liderança, movida por um ódio incontido, baixar circulares difamando, desconstruindo as imagens dos usuários do Orkut?  O que leva membros da Maranata a trocar e-mails entre si, afirmando que o site Orkut e até o próprio Google são personificações do diabo na internet? Não é intrigante o fato de que mesmo havendo o My Space, o Facebook, o Twitter, o Largevia (do inglês: “via ampla”, de autoria de um pastor da Maranata de Boston), enfim, todos esses sites de relacionamentos sociais, o Orkut é o único a ser expressamente proibido ou, no mínimo, reprovado pelos líderes e membros apaixonados pela “Obra”? Não seria incoerente? Seria devido ao fato de que no Orkut é onde reside a comunidade “Já Fui Um Maranata”, composta os mais diversos tipos de ex-membros que um dia libertaram de tal sistema religioso, no qual eles relatam seus testemunhos, experiências, decepções e todo erro desse grupo religioso?   

 Portanto, o presente artigo consiste em divulgar o motivo pelo qual fez a Maranata concentrar suas energias contra o Orkut, bem como, relatará, em miúdos, todos os ocorridos que levaram a fundação da comunidade “Já Fui Um Maranata”, desde o famigerado episódio ocorrido no maanaim de Brasília, quando três pastores pregaram aos jovens contra a idolatria à Instituição, a até os trâmites que se deram na pela liderança quando a referida comunidade começou a se propagar em números e boa fama a favor do Evangelho, divulgando toda a verdade da Maranata. Um artigo de suma importância ao leitor que desconhece esses fatos, acobertados dos membros, e que agora poderão perceber mais ainda em que local eles se encontram. Que o Senhor lhes esclareça!

DOWNLOAD DO ARTIGO

“Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” Mat 10.16

Como distinguir um líder religioso se ele é pastor ou lobo? Quais as características de um apascentador, daquele que está sempre , e tão-somente, interessado no bom trato das ovelhas, voltado para os propósitos de Jesus? Qual as características daqueles que tratam o rebanho apenas como algo coisificado, para trabalhar muito mais para os interesses de um sistema denominacional, e para buscar reconhecimento e glórias dos homens?

O artigo em questão se propõe justamente a essa elucidação. Muitos na ICM se dizem pastores, se posam como sábios e admirados líderes, mas seriam eles dotados de características apascentadoras ou opressoras? Talvez você se identificará com esse texto, no qual arrolamos 46 afirmações que distiguimos lobos e pastores. Leiam, irmãos! Cremos que esse texto ajudarão por demais irmãos no amadurecimento de vossa fé cristã.

DOWNLOAD DO ARTIGO

 

“Quem fala de si mesmo busca a sua própria glória; mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça.” Joa 7.18

 Todos que já fizeram parte da Seita Maranata conhece o famigerado estudo da Visão das Viderias, o qual nada mais é do que um estudo apologético da ICM. O estudo elenca 07 pragas que estão hoje a contaminar várias denominações, de forma que acabam preterindo as coisas do Reino de Deus, para beneficiar seus partidos religiosos. Concordamos com as pragas ventiladas. Contudo, a ICM, prepotente e arrogante como é, diz que todas as demais denominações da face da Terra (frisa-se: de toda a Terra) estão contaminadas com pelo menos uma dessas pragas; mas, a “Santa”, a “ICM-Obra” se diz que é a única que não há sequer uma pitada de mácula. A ICM é posta nesse estudo como a “Rainha dos Céus”, a cheia de graça e bendita seja ela entre as denominações.

Assim sendo, mostramos que esse estudo não passa de uma grande mentira fabricada para ludibriar desavidados membros, ocultando-lhes verdades que muitos conhecem por debaixo dos panos, e que, os mestres da “Obra”, mesmo coniventes e estimuladores de pragas na ICM, hipocritamente, ensinam o contrário usando outras denominações (sem citar o nome, mas dando todas as caracteristicas delas) como objetos de desdém, e sobrepujando-as perante a “Santa ICM-Obra Maravilhosa”, enfim, como diz o ditado: o sujo falando do mal lavado. Leiam, irmãos, e conhecam a verdade escondida propositalmente de seus olhos.

DOWNLOAD DO ARTIGO